Header Ads

Parece que a Katy Perry está perdendo a mão

Dez anos é um intervalo considerável para evolução em qualquer área. Seja você um editor de imagens, jogador de futebol, paisagista ou confeiteiro. Se você for pedreiro, por exemplo, e comparar obras que fez pelo seu bairro, vai ver que o acabamento foi ficando mais bonito ao decorrer do tempo. Se tiver interesse e afinco, será referência entre os pedreiros de sua região com o passar do tempo. Parece que a Katy Perry está perdendo a mão a cada trabalho e estamos sendo testemunhas do rejunte mal feito nas últimas temporadas.

Quando a Katy Perry estourou com ‘One of the Boys’, em 2008, parecia ser mais um cantora fabricada por alguma gravadora para tocar em rádios, vender disquinhos e ingressos pelo mundo afora. Para quem gosta de música pop, o trabalho foi um prato cheio, bem servido. Daqueles que saciam um trabalhador numa construção pesada. ‘Hot N’ Cold’, ‘U r So Gay’, ‘Thinking of You’, ‘Waking Up in Vegas’ e ‘I Kissed Girl’ foram os singles trabalhados pela cantora. Não tinha como falar mal de uma sequência de hits como esta, mas, como qualquer um que chega ao topo, será cobrado em como continuar nesta fase.

No ano seguinte, ao invés de soltar um disco novo, Perry topou gravar um ‘Acústico MTV’ com os seus hits numa pegada mais light (good vibes). Um baita acerto. Quando você é peão e está com o nome bem falado no mercado, tu topas fazer umas reformas cafonas para garantir um dimdim a mais. Ela ainda estava com uma turnê abarrotada e não teria tempo para ficar num estúdio lapidando suas novas cantigas. A nova roupagem dos hinos de forma desplugada caíram como uma luva e Katy Perry angariou um novo público.

A prova de fogo veio em 2010 e a cantora atropelou quem estava em sua frente. Sabe a expressão de nascer com a bunda virada para a lua? É aquela pessoa que faz qualquer coisa e dá tudo certo. Tem sorte no jogo, no amor, no trabalho, na vida e em tudo. Não foi à toa que a Katy Perry fez a questão de aparecer assim na capa de ‘Teenage Dream’.

Se o público achou que a cantora tinha chegado em seu ápice com ‘I Kissed a Girl’, se enganou redondamente. ‘California Gurls’, ‘Firework’, ‘ET’, ‘Last Friday Night’ e ‘The One That Got Away’ serviram como cartão de referência dos novos serviços prestados por Katy Perry. O álbum inteiro é extremamente pop e gostoso de ouvir.

O pedreiro que está confiante com o seu trabalho, começa a inventar coisas desnecessárias em suas obras. Colocar um acabamento gregoriano numa simples garagem ou fazer uma laje na cobertura. Katy sentiu segurança e colocou uma música inaudível chamada ‘Peacock’ no meio de um disco redondo. Enfim, acontece em qualquer obra.

Após dois trabalhos de sucesso e um acústico no meio do percurso, Katy Perry estava há meia década como um nome cativo em premiações, festivais e lojas. Foram cinco anos irretocáveis para quem penou no começo da carreira e passou por maus bocados. Agora é manter uma boa rede de contatos para ficar cercada de bons profissionais e bons amigos para entender quais serão os melhores passos para seguir em frente.

‘Prism’, de 2013, é um álbum que divide muita gente. Sobre o olhar comercial, ele cumpriu com o seu papel. Os singles foram certeiros, recordes foram quebrados e tudo caminhou de vento e polpa. Eu ainda sou uma pessoa que ouve o disco do começo até o fim, sou apegado com isso. Ouvir ‘Prism’ do começo ao fim é uma tarefa árdua, rapaz.

A solução dos discos anteriores de resgatar elementos de disco music, batidas eletrônicas dos anos 90 e elementos bregas com o vozeirão de Perry costuram o disco inteiro. No começo soa até engraçado, mas esta piada, que parece ser interna, incomoda. Poderia ter sido um bom EP com o estrondoso hit ‘Dark Horse’, que está chegando a dois bilhões de visualizações no YouTube. Apenas.

De ‘Prism’ até ‘Witness’, Katy Perry teve um intervalo de uma Copa do Mundo para construir algo bacana para os seus fãs. Parece que o projeto deste disco foi parecido com o que vimos por aqui em 2014. Uma correria para entregar a obra. Dava um frio na espinha quando começaram a rolar os eventos testes e as pessoas não conseguiam chegar para o jogo. Os testes de ‘Witness’ foram dois singles que causaram estranheza: ‘Chained to the Rhythm’ e ‘Bon Appétit’. Ambas tinham aquela pintura ‘sou brega, mas é de brincadeira’.

O resto do disco é um retrato do que aconteceu em Prism. Parece que faltou capricho e um broder para falar: Poxa, mas você vai entregar assim mesmo? Não é melhor darmos um tapa a mais aqui e acolá para ficar show? Witness parece ser uma trilha sonora de um barzinho caído que o peão faz uma pausa para tomar um trago para voltar para a casa.

We’re all just looking for connection
Yeah, we all want to be seen
I’m looking for someone who speaks my language
Someone to ride this ride with me
Can I get a witness? (witness)
Will you be my witness?

Seria bacana a Katy Perry achar esta conexão para sermos testemunhas de uma obra bacana como em ‘Teenage Dream’ ou ‘One of the Boys’.

brunno-constante-colunista-papelpop
O jornalista paulistano, produtor musical e marketeiro Brunno Constante analisa, pondera, escreve e traz novidades sobre música no Papelpop todas as terças-feiras.

Fita Cassete é o alterego de Brunno quando ele fala sobre o assunto.

Quer falar com ele? Twitter: @brunno.


* A opinião do colunista Brunno Constante não necessariamente representa a opinião do Papelpop. No entanto, por aqui, todas as opiniões são bem-vindas. :)

O post Parece que a Katy Perry está perdendo a mão apareceu primeiro em PAPELPOP.

Nenhum comentário

-Antes de sair lembre-se de COMENTAR nós damos muito valor a opinião do leitor(você)
-Críticas e elogios serão aceitos para que possamos melhorar cada vez mais.
-Diga com suas propias palavras
-Não use palavras de baixo calão

BOM AGORA QUE JA LÊU JA PODE COMENTAR!
Diga oque voce achou dessa publicação?

Tecnologia do Blogger.