Header Ads

Cientista francês é condenado por enganar o Senado

O médico e cientista francês Michel Aubier foi condenado a pagar uma multa de € 50 mil (R$ 180 mil) – e escapou por pouco de seis meses na prisão – após ocultar ao Senado francês que tinha um vínculo profissional com uma empresa privada paralelo a suas atividades na saúde pública.

Em abril de 2015, o Senado francês convidou especialistas em saúde pública e meio ambiente para dar declarações sobre as consequências econômicas da poluição atmosférica. Aubier, que na época era diretor do setor de pulmões e alergias do hospital Bichat-Claude Bernard, em Paris, fez seu pronunciamento em nome do órgão estatal que opera os hospitais públicos da capital francesa, a AP-HP.

Pena que na época ele também era diretor de outra coisa: o departamento de medicina ocupacional da empresa petroquímica Total – que além de não estar muito preocupada com os níveis de gás carbônico na atmosfera, empregou o médico por 20 anos e já lhe pagava um salário de € 100 mil anuais na época da declaração. O conflito de interesses não foi mencionado por Aubier antes de sua audiência na corte – no dia, ele garantiu “não ter laços com atores econômicos”.

Segundo a Nature, Aubier afirmou em uma audiência em junho que nunca foi sua intenção enganar a comissão do Senado. “Eu cometi um erro. Se eu fosse fazer isso de novo, declararia [o conflito de interesses], mas a omissão foi absolutamente não-intencional.” Apesar disso, jornais como o Libération afirmam que o médico é famoso em sua área de pesquisa justamente por minimizar os problemas de saúde causados pela poluição, visão que bate de frente com praticamente toda a literatura científica atual.

Em março do ano passado, Aubier deu a seguinte declaração a um programa de TV: “eu não acho, e a maioria dos especialistas concorda, que ser exposto a poluição ambiental em cidades como Paris aumente suas chances de ter câncer de pulmão.” Profissionais de saúde de toda a França, indignados, redigiram uma carta para contestá-lo. “Uma errata nos parece necessária para corrigir alguns comentários feitos por um médico e acadêmico que se opõem aos principais estudos da área, em particular os da Organização Mundial da Saúde (OMS), que classificaram o diesel como substância carcinogênica em 2012 e a poluição do ar como carcinogênica em 2013.

“Essa é uma decisão muito importante”, afirmou o advogado do Senado, Emmanuel Marsigny, a um grupo de repórteres. “Ela sublinha a importância das comissões de inquérito do Senado e os riscos de dar declarações falsas.” Na audiência em que ocorreu a omissão, Aubier afirmou ao Senado que, de fato, as doenças respiratórias e cardiovasculares que custam milhares de euros à AP-HP todos os anos estão frequentemente ligadas à poluição do ar – mas que o impacto dessas emissões no câncer de pulmão “é extremamente baixo e objeto de muito debate”. 

 

 

 

 

 

Nenhum comentário

-Antes de sair lembre-se de COMENTAR nós damos muito valor a opinião do leitor(você)
-Críticas e elogios serão aceitos para que possamos melhorar cada vez mais.
-Diga com suas propias palavras
-Não use palavras de baixo calão

BOM AGORA QUE JA LÊU JA PODE COMENTAR!
Diga oque voce achou dessa publicação?

Tecnologia do Blogger.