Header Ads

Como argumentar com criacionistas sobre a teoria da evolução

Estatua de Charles Darwin (Foto: Pixabay)

 

Em 2001, a descoberta dos Sahelanthropus de sete milhões de anos, as primeiras criaturas conhecidas do tipo semelhante ao macaco, foi mais uma prova do lugar da humanidade entre os grandes macacos. E, no entanto, Mike Pence, então um representante e agora vice-presidente dos EUA, defende a conclusão oposta.

Para ele, nossas ideias sobre os antepassados ​​mudaram, provando mais uma vez que a evolução era uma teoria e, portanto, devemos ser livres para ensinar outras teorias em nossas salas de aula.

Como argumentar contra isso? A resposta usual é a de que devemos ensinar aos alunos o significado da palavra "teoria", como é usada na ciência — ou seja, uma hipótese (ou ideia) que tem sido levada a testes repetidamente. O argumento de Pence será então exposto ao que os filósofos chamam de equívoco — um argumento que só parece fazer sentido porque a mesma palavra está sendo usada em dois sentidos diferentes.

Apenas palavras
A evolução, Pence argumenta, é uma teoria, as teorias são incertas, portanto, a evolução é incerta. Mas a evolução é uma teoria apenas no sentido científico da palavra. E nas palavras da Academia Nacional de Ciências, "a definição científica formal de teoria é bastante diferente do significado cotidiano da palavra. Refere-se a uma explicação abrangente de algum aspecto da natureza que é apoiada por uma grande evidência." Anexar este rótulo à evolução é um indicador de força e não fraqueza.

Se você se baseou nessa abordagem, você não conseguiu entender o propósito da retórica de Pence, ou porque ela é tão atraente para os criacionistas. Pence é um político consumado e sabe exatamente como atrair o público que pretende. Ele também é um advogado de julgamento realizado, o que o torna um conjurador com palavras, e, como qualquer conjurante hábil, ele executou seu truque distraindo. Pence nos levou a uma discussão sobre palavras, quando nosso foco deveria estar na evidência.

Eu sugeriria a abordagem oposta. O problema não é realmente com a palavra "teoria". Os alunos aprendem seu significado da mesma maneira que aprenderem significados em geral: vendo como a palavra é usada.

Eles devem ter ouvido falar da teoria atômica, que ninguém duvidou seriamente por mais de um século. E quanto à teoria da gravidade? Finalmente, eles podem ter visto como o próprio Darwin usa a expressão "minha teoria", embora na época não fosse abrangente nem bem apoiada (havia grandes lacunas no registro fóssil), se referia de maneira de modo geral às suas ideias vinculadas à mutabilidade das espécies, à descendência comum e ao poder da seleção natural.

Então, se alguém diz: "A evolução é uma teoria", não lhes dê uma palestra sobre o significado da palavra "teoria". Se você fizer isso, você caiu na armadilha de fazer parecer que a forma como definimos as palavras deve afetar a forma como vemos a realidade. Vocês estarão lutando em função da escolha do seu oponente, já que argumentar sobre como aplicar palavras é o estoque no comércio de teólogos, pregadores e advogados como Mike Pence.

A resposta correta é dizer que a evolução é uma teoria — como a gravidade é uma teoria — e, em seguida, redirecionar a atenção para a evidência. E essa evidência é esmagadora.

Munição evolutiva
Comece com os relacionamentos familiares. Carl Linnaeus mostrou como os seres vivos podem ser classificados em espécies, gêneros, famílias e assim por diante, e Darwin apontou que esta é exatamente a estrutura que esperamos de uma árvore genealógica. Todos os cães são caninos, então cães compartilham um antepassado com raposas; todos os caninos são carnívoros, então os cães compartilham um antepassado mais remoto com os ursos; todos os carnívoros são mamíferos, então cães e ovelhas são, embora mais remotamente, relacionados, e assim por diante.

Em seguida, veja a descoberta nas últimas décadas de relações familiares ao nível molecular, e o fato de a árvore genealógica combinar com base em semelhanças anatômicas.

Observe o registro fóssil. Uma vez lamentavelmente cheio de lacunas (Darwin estava entre os lamentadores), agora está densamente cheio. Um século atrás, ainda fazia sentido apontar para o "elo perdido" entre humanos e macacos pré-humanos. Agora, sabemos de várias espécies de hominins diferentes que vieram umas das outras, e o problema torna-se diferenciar nossos avós dos nossos tios. E, sim, existem links ausentes na cadeia, mas sem evolução, não teríamos uma cadeia.

E então há a biogeografia: por exemplo, por que os marsupiais só são encontrados na América do Sul e Australásia, e, exceto por algumas espécies que atravessaram o Istmo do Panamá, nunca são encontradas em outros lugares.

Além disso, podemos realmente observar a evolução e estudá-la em campo ou no laboratório. O surgimento da resistência a pesticidas é a evolução em ação, como se vê na famosa demonstração de Harvard/Technion “evolução em uma placa”. Assim é a deliciosa experiência russa de criação de raposas domesticadas. A seleção artificial, tanto quanto a seleção natural, é a evolução em ação.

E, finalmente, e de forma mais convincente, devemos olhar para a maneira como essas diferentes linhas de evidência se unem. Podemos aplicar a biogeografia ao registro fóssil e relacioná-lo com o que sabemos sobre os movimentos dos continentes. Usando os métodos da biologia molecular, podemos identificar e temporizar as mutações que levaram diferentes espécies a divergir de seu antepassado comum, combinando o tempo e o registro fóssil.

Dessa forma o registro fóssil pode mostrar profundas semelhanças anatômicas e evidências de DNA, que combinam ao mostrarem que as baleias, por exemplo, estão intimamente relacionadas aos mamíferos castrados, divergindo deles no período Eoceno. Existem muitos outros exemplos de tal consistência.

Então, e só então, pare para explicar como uma teoria científica é uma conexão interligada de ideias que explicam coisas sobre o mundo, e a evolução é um dos exemplos mais bem-sucedidos. E desafie os Mike Pences deste mundo a esclarecerem exatamente o que gostariam de ver sendo ensinado ao lado da Teoria da Evolução — e por quê.

Paul Braterman é professor emérito da Universidade de Glasgow. Este texto foi publicado originalmente em inglês no site The Conversation.

Leia mais:
Criacionismo ou evolução? Papel da religião é debatido nas escolas
Cientistas descobrem origem da evolução do tubarão fantasma

Nenhum comentário

-Antes de sair lembre-se de COMENTAR nós damos muito valor a opinião do leitor(você)
-Críticas e elogios serão aceitos para que possamos melhorar cada vez mais.
-Diga com suas propias palavras
-Não use palavras de baixo calão

BOM AGORA QUE JA LÊU JA PODE COMENTAR!
Diga oque voce achou dessa publicação?

Tecnologia do Blogger.